Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Tem juízo, Joana!

Entre o certo e o errado, o perdido e o achado, o dito e o não dito, encontros e desencontros, da pequenez à plenitude, entre a moralidade e a indecência. Se tenho juízo? Prefiro perdê-lo…

Entre o certo e o errado, o perdido e o achado, o dito e o não dito, encontros e desencontros, da pequenez à plenitude, entre a moralidade e a indecência. Se tenho juízo? Prefiro perdê-lo…

12
Dez21

Insulto perverso


17833070-1A53-4F9B-9C9C-BAC768CE3BC3.jpeg

Era vapor que te saía pelos poros, sentias o pulsar do coração na garganta, contraía-se todo o corpo, como se a impulsionar o sabor a fel até à tua boca. Com os maxilares solidamente cerrados e a visão a fazer-se turva a cada pico de adrenalina, deixaste-te cegar pela raiva.

Uma fúria escusada que nasceu na impotência de querer mudar as pessoas e o mundo. Não consegues! Entende de uma vez por todas, nem todos trajam o mesmo coração que tu. Exactamente por existirem tantas insuficiências nos corações que palpitam por aí, não deixes que brinquem com o teu. Não deixes que o peguem, suguem-lhe a água benta corrente no sangue e o pontapeiem como se ele resistisse, golpe após golpe, esquecendo o amor que lhe beberam.

Deixaste-te prostrar perante uma situação de injustiça, de ingratidão. Atropelaram-te, com espantoso descaramento, a compaixão, a gentileza, a generosidade. Insultaram-te o humanitarismo como quem te esbofeteia a estima.

Um descontrolo visceral manifestado num firme autodomínio, alienígena da língua habitualmente aguçada e bárbara, com um minucioso distanciamento da alma selvagem e impulsiva onde costumas morar.

Torna-se doloroso aprender assim. Não dissipes essa energia dourada com quem é daltónico, tão-pouco serão capazes de distinguir o arco-íris que pinta o teu amor.

Mas isto não te define, não és este dilatar enfurecedor prestes a eclodir. És arte, és as pessoas que amas, e, de mais a mais, és a razão dessa reciprocidade.

 

Imagem por Jan Koppriva, em pexels.com

05
Dez21

Detalhes


30E283AE-F537-4DA7-A7E5-BFF5160350E9.jpeg

Com as unhas vou riscando o couro deste velho sofá onde estou sentada. É uma herança de família, está gasto, sinto-lhe o rugoso dos pequenos pedaços de couro ainda resistentes e o cheiro a pele antiga, ainda assim continua a ser o meu local preferido.

Aqui, reflito, às vezes escrevo, enquanto observo o verde florestal lá fora através das vitrines. É um espaço sossegado, acolhedor e coberto de natureza.

A lareira está acesa, que conforto! O calor aquece-me como uma manta felpuda, oiço o estalar da lenha, que alegremente fui buscar pela manhã.

Abro uma garrafa de vinho, desta vez escolhi Grous, um vinho Alentejano que nunca me desilude. Encho o copo e, enquanto o deixo repousar, vou à lareira dar um jeito, pois o lume está a desvanecer. Ajoelho-me no tapete grosso que coloquei lá perto para me proteger as articulações e o chão de madeira envernizado.

Volto para o sofá e dou um generoso gole no vinho, saboreio-o, sabe-me sempre ao mesmo sabor encorpado, com o Alentejo nas memórias. Deixo o sabor frutado escorregar garganta abaixo e alcoolizar-me o sangue.

Aprecio a paisagem e deixo-me ficar tranquila, embrenhada nos meus pensamentos.

 

04
Dez21

Quero, por Cátia Santos


FA399782-4E23-4057-BC41-0CA6A46EDD5E.jpeg

Quero abraçar a imensidão da minha essência.

Quero me perder no infinito da pureza.

Quero me envolver nos teus abraços.

Quero simplesmente ser una com o todo.

Quero envolver o mundo de amor.

Quero deixar a minha luz abraçar o teu ser e deixar-te brilhar.

Quero que o meu sorriso de menina e moça alegre o teu dia.

Quero que a minha calma e serenidade te ampare e te serene.

Quero evoluir ao teu lado.

Quero a nossa evolução mútua.

Quero partilhar contigo momentos de pura gratidão, amor e felicidade.

Quero que a união da nossa alma seja profunda e bela.

Quero que todo o meu ser seja tudo o que te complementa.

 

Autoria de: Cátia Santos @catiasantosescritadalma

 

04
Nov21

Miserável


E225B470-C5E9-4C6B-913F-1C1186E0C224.jpeg

Hoje vai ser duro. Os olhos vão-me inchar, dormirei pouco e toda a minha cara será duas enormes pálpebras luzidias em cima dos olhos vermelhos.

Sim, é duro. Há dias que é duro existir. Questiono-me sobre o que faço aqui? Porque estou aqui? Para quê? E dói não ouvir respostas. Procurá-las e perceber que não existem. Ou existem muitas, mas qual será a certa? Ou qual será a minha? É duro ter dias melancólicos. Ter de lidar com a tristeza e amargura, é para valentes. E, às vezes, não sou portadora dessa valentia.

Os soluços continuam, uns atropelados nos outros, só porque sim. Porque tem de ser! A mente ditou-me a sentença de hoje: ser minúscula e sentir-me miserável. Et voilá.

Ardem-me os olhos e respiro fundo. Sinto o abandono, choro de novo. Ninguém me ouve, nem quero que me oiçam. Não quero? Sei lá o que quero. Choro com a solidão a gelar-me as unhas. Nada me serve, só o vazio me cabe e mesmo esse fica a boiar nas entranhas da minha alma. Tenho um sabor salgado na boca, enxugo a cara. Doem-me os olhos! Doí-me todo este sentir, sinto-me podre.

Hoje foi duro.

.

imagem de Rachel Claire on Pexels

 

 

 

 

13
Out21

Agridoce


F6DD481C-02F2-4373-9A97-62B4D2BDA615.jpeg

E, como na vida, este sabor reporta-me para a mistura agridoce intrínseca, pois todos nós levamos dentro uma mistura inquietante de bem e de mal, de doce e salgado.

Todos nós conhecemos a felicidade e o amor, mas, por vezes, escolhemos estar tristes e angustiados. Sabemos ser honestos e sinceros, como na mesma frase, lançamos uma mentira e somos hipócritas.

E está tudo bem! Neste universo de bipolaridade cósmica, há que conhecer e experienciar o mau, para saber usufruir do bom. Afinal, o salgado e o doce também existem sozinhos.

Dos meus sabores de eleição, somos essa mistura complexa e inconstante. Do prazer à tortura, somos o que escolhemos ser nos contextos onde estamos inseridos.

Como o agridoce, somos esse mesmo equilíbrio, utilizamos essa sensação de forma inteligente para acrescentar valor culinário a um prato. Transportando essa aglutinação entre o bem e do mal para a nossa jornada e Eu interior, conseguimos, com sabedoria, utilizá-la de forma positiva.

E, reparem como o agridoce se pode comprovar numa das melhores experiências gastronómicas!

Imagem por: @stella_maria_gaspar

 

Mais sobre mim:

Segue-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Calendário

Janeiro 2022

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D