Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Tem juízo, Joana!

Entre o certo e o errado, o perdido e o achado, o dito e o não dito, encontros e desencontros, da pequenez à plenitude, entre a moralidade e a indecência. Se tenho juízo? Prefiro perdê-lo…

Entre o certo e o errado, o perdido e o achado, o dito e o não dito, encontros e desencontros, da pequenez à plenitude, entre a moralidade e a indecência. Se tenho juízo? Prefiro perdê-lo…

23
Jul22

O pintor


Retoque na barba, era o último, aquele que fazia a diferença agora que se olhava novamente ao espelho, antes de sair de casa.
Simples, com uma personalidade catedrática, mas amena, vestia-se sempre de preto ou cores sóbrias, apesar de se considerar algo vaidoso. A barba comprida tinha de estar impecavelmente no sítio, penteada, amaciada e cheirosa. Ele não lhe dava descanso, era a sua imagem de marca.
Saiu rumo ao atelier, o seu local sagrado onde guardava e expunha os seus trabalhos. Filho de família pobre, de mãos gastas com rasgos escurecidos pela terra, a mãe era agricultora e o pai lenhador. O irmão seguiu-lhes os passos, ao invés dele que se apaixonou pelas artes. Poeta e pintor, dedicava-se com especial apreço à pintura a óleo e, na poesia, privilegiava a contemporânea.
Era um homem de poucos amigos, não por ser anti-social, não falasse ele que nem um papagaio, mas porque a sua vida foi gatafunhada na tela e escrita em versos.
Passava o tempo adrentado em arte, os dedos sarapintados e as últimas falanges já com calos, ora da caneta, ora do pincel. Por isso, também não procurou o amor noutra pessoa, uma vez que o encontrou nas páginas por escrever e nas telas por pintar. Completava-se assim, em arte.
Não tinha pressa, nem muito menos intenções, de deixar descendência ou a herança de tamanhas conquistas. Acreditava que o seu trabalho deixaria os próprios marcos na história, eternizando pedaços de tinta no branco, mesmo quando o seu corpo se tornasse poeira.

13
Fev22

#reflexão, até sempre Avó


718D5A92-1074-45AF-A744-B80CD13BE7F9.jpeg

Hoje a história que vos trago não é feliz. Porque não somos felizes sempre, não temos de sorrir sempre, nem tão pouco ser a nossa versão mais positiva.
A vida é cíclica e, se há coisa que sabemos, é que nascemos com uma morte destinada. E vivemos… ignorando a única verdade que temos como certa.
Hoje a história que vos trago, ao contrário de todas as que são feitas por aí, é triste. No meu coração é, verdadeiramente, triste. Cresci de braço dado com esta linda e castiça Senhora, minha avó. Fez-me tantas, mas tantas vezes feliz e, sabem? (Sussurro) Eu acreditava que ela nunca ia morrer, mesmo sabendo que era mentira. O que não vale viver com a crença de que tudo é fácil e mágico? Hoje, a história que vos trago é, na verdade, um conto. Só não é de fadas! Porque a vida, às vezes, dá muito, muito nó, fica toda emaranhada, ao ponto de respirarmos em dor e, não! Não é feliz! Não somos felizes sempre! Se fôssemos felizes sempre, éramos todos uns tolinhos, ignorantes e pouco estimulados.
O conto que vos trago é sobre dor, da mais lancinante que possam sentir. Da perda. A vários níveis… quase uma perda de identidade. De ir perdendo cacos pelo caminho, voltar atrás para os apanhar e já não os encontrar. E sabem? Não tenho de os encontrar, tenho de os reconstruir. Pois sendo a vida cíclica, uma partes morrem, para outras poderem nascer.
E, hoje, se há cacos que guardo, são os que têm pedaços de ti. Porque tu morreste, mas viverás sempre em mim.
.
#precisavaescrever

04
Nov21

Miserável


E225B470-C5E9-4C6B-913F-1C1186E0C224.jpeg

Hoje vai ser duro. Os olhos vão-me inchar, dormirei pouco e toda a minha cara será duas enormes pálpebras luzidias em cima dos olhos vermelhos.

Sim, é duro. Há dias que é duro existir. Questiono-me sobre o que faço aqui? Porque estou aqui? Para quê? E dói não ouvir respostas. Procurá-las e perceber que não existem. Ou existem muitas, mas qual será a certa? Ou qual será a minha? É duro ter dias melancólicos. Ter de lidar com a tristeza e amargura, é para valentes. E, às vezes, não sou portadora dessa valentia.

Os soluços continuam, uns atropelados nos outros, só porque sim. Porque tem de ser! A mente ditou-me a sentença de hoje: ser minúscula e sentir-me miserável. Et voilá.

Ardem-me os olhos e respiro fundo. Sinto o abandono, choro de novo. Ninguém me ouve, nem quero que me oiçam. Não quero? Sei lá o que quero. Choro com a solidão a gelar-me as unhas. Nada me serve, só o vazio me cabe e mesmo esse fica a boiar nas entranhas da minha alma. Tenho um sabor salgado na boca, enxugo a cara. Doem-me os olhos! Doí-me todo este sentir, sinto-me podre.

Hoje foi duro.

.

imagem de Rachel Claire on Pexels

 

 

 

 

Mais sobre mim:

Segue-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Calendário

Novembro 2022

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D