Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Tem juízo, Joana!

Entre o certo e o errado, o perdido e o achado, o dito e o não dito, encontros e desencontros, da pequenez à plenitude, entre a moralidade e a indecência. Se tenho juízo? Prefiro perdê-lo…

Entre o certo e o errado, o perdido e o achado, o dito e o não dito, encontros e desencontros, da pequenez à plenitude, entre a moralidade e a indecência. Se tenho juízo? Prefiro perdê-lo…

09
Abr22

Esqueletos em mim


E02F0935-2671-4E98-9FB8-D2B0EE2BCC97.jpeg

Tenho esqueletos, esqueletos desenhados num armário cheio de ossos.

Tenho aparições que me amolam, escondidas no âmago das aflições.

Das mortes de mim, tantos mins nascem, de ciclos em ciclos, avanços e recuos, onde se apaga e se faz luz. Por etapas se percorrem todos os espectros do que já fui. Deixo uns no passado, permito a outros que se me aferrem nos ossos e encarnem o meu esqueleto.

Das almas pobres, desnutridas do que é o alimento, eu guardo-lhes os esqueletos para o meu próprio fomento.

Amarro-me nas memórias, do que outrora foram em vida, sou parte dessa narração por tantos esqueletos vivida.

Embalo na angústia, o desprazer que lhes vislumbro, são esqueletos que desenho num armário e a saudade é cravejada nos ossos dessa não-existência.
.
Imagem: https://kronicasdoloboinvernal.wordpress.com/2018/02/27/conto-esqueletos-no-armario/
.
👉🏻 texto publicado no Blog da @valletibooks - Reflexões nº 8 - 20/02/2022

14
Mar22

A vida é volátil


A vida é volátil.

Não somos estáticos. Somos várias coisas em inúmeros momentos diferentes, firmes a uma coluna vertebral de valores.

Que rapidamente também sabemos esquecer, por conta das circunstâncias, egos e afins.

Somos o que a vida nos ensina a ser. Somos essa instabilidade, seres mutantes, que se transformam no tempo e no espaço.

Então, somos uma infinidade de coisas.

As que sabemos ser e as que descobrimos que podemos ser pelo caminho, por conta da vida.

A vida é mutável, como a pele, onde o tempo esboceia a sua passagem, com os traços da bagagem que se leva, ou daquela que a memória ainda se lembra.

É flutuante como as marés, como as voltas dos astros, como os amores e humores. Nada é certo, exacto ou garantido.

E é volátil, como o último sopro de uma vida efémera.

.

Texto publicado no blog da Valletibooks - reflexões 13/02/2022

Video recitado e partilhado no instagram @temjuizo_joana

(Obrigada a todos pela colaboração!)

05
Fev22

Amor aos (de)feitos


Sabes que, nas questões do amor, primeiro vem o próprio, depois o recíproco. Porque aceitar e amar incondicionalmente o ser que habita em ti, traduz-se na fonte do amor ao próximo, ou aos demais.

O amor nada mais é que a ânsia por seres melhor a cada dia que vives, então, ama-te, mas ama-te na íntegra. Pois, a perfeição não existe e é tão gracioso amar os defeitos, por ser neles que te acolhes, para revigorares o equilíbrio saudável de saber ser.

Se o amor não fosse nada disto, as imperfeições não seriam estrondosas obras de arte.

.

.

Um poema de amor "sem sufixo", já dizia a Canelas (@eusoua_canelas)

.

Publicado no blog da página @valletibooks

09
Jan22

Papoila obstinada


Papoila obstinada,

Na tempestade e nos ventos fortes

És resistente aos pequenos nadas,

Floresces em tudo, até entre mortes.

Frágil e bela,

Esvoaças ao sabor das aragens,

De raizes presas em terra

Com vaidade embelezas imagens.

Essa leveza

Acolhe a alma e o coração,

As sardas são mera gentileza

De quem é bela sem presunção.

Alheia às pragas,

vírus e flagelos,

Livre de amarras,

Mas aprisionada em castelos.

Pela noite,

Fechas as persianas

Enrolaste com medo da escuridão

A inocência que emanas

Diz que da crueldade tens aversão

Seja utopia,

Imaginação ou delírio

O teu bem-estar vem de raiz,

Sejas papoila, cravo ou lírio,

És a flor que colheste

E que trazes debaixo do nariz.

 

Poema autoral, recitado na página @temjuizo_joana

19
Dez21

Palavreando


É um entusiasmo que vem de dentro,
Numa luz que brilha ofuscante,
Aquece os meus mil e um corações
Pairando numa euforia tão envolvente.

Nas labaredas de um inferno apaixonante,
Fiz-me brasa de um amor sem fim.
Regozijo de infinitos girassóis
E um amor que vivo só para mim.

Loucamente "eu te amo"
Meramente mentira
Quantas vezes ouvimos isso
Mas não prova o tamanho amor
Que demostra na suas falas....

Em suas falas
Pouco sentido
Muito ouvido
Mas pouco vívido....

 

Em parceria com : Klismann Yago

Mais sobre mim:

Segue-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Calendário

Junho 2022

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D