Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Tem juízo, Joana!

Entre o certo e o errado, o perdido e o achado, o dito e o não dito, encontros e desencontros, da pequenez à plenitude, entre a moralidade e a indecência. Se tenho juízo? Prefiro perdê-lo…

Entre o certo e o errado, o perdido e o achado, o dito e o não dito, encontros e desencontros, da pequenez à plenitude, entre a moralidade e a indecência. Se tenho juízo? Prefiro perdê-lo…

24
Out22

A recordação


Se a memória não me falha, teria todas as memórias duma vida.

Procurar a memória mais antiga dentro de tudo o que é passado,

é pedir ao cérebro para ser um enorme depósito de imagens, sensações, cheiros e emoções.

Recordações que se sobrepõem conforme o peso, tamanho e marcas no percurso.

Á medida que andamos em marcha atrás, fica estranho o discurso.

Cada vez mais baça a memória, acalenta a nitidez apenas

Os momentos que, dalguma forma, mantém a forma em pensamento.

É então que o fluido fresco desce-me a garganta.

Paira no ar a memória do que era a sede. Naquele dia de verão, a sede era o que me afligia,

Pelos gastos excessivos de energia,

Como por magia.

Era água que eu bebia aflitivamente,

de olhos postos na garrafa

E os pés na área quente.

O fresco que senti pelo queixo, peito, barriga e coxas.

Deixei entornar, as habilidades eram frouxas,

A sede abundante.

Numa manhã a construir castelos

Em areia escaldante,

para princesas imaginárias,

com esperança que um dia me torna-se numa.

Oh… aqui não há monarquias e a sede matou-se,

num trago cheio de pressa!

Como se mata tudo o que nasce,

como acaba tudo o que começa.


👉🏻também podes encontrar este texto no blog da @valletibooks - reflexões n° 43 ou até ouvir no podcast da Valletibooks no #spotify

12
Jun22

Não pari, mas vive uma criança em mim!


Vive em mim uma criança de olhos vivos, cheios de luz, e uma boca carnuda, ainda sem os dentes todos. Expressa-se através da minha forma de caminhar, do riso incontrolável que faz baloiçar os caracóis rebeldes. Anuncia-se pela capacidade de adaptação e do meu humor infantil. Ela alimenta-se do que me é recreio, criatividade e graça.

Na compreensão, na ingenuidade e na empatia, ela pula, canta e dança.

Vive em mim uma criança que perdoa fácil, de uma benevolência desmesurada, consciente, mas ingénua, que chega a ferir a própria pele. Ferimentos fundos que cicatrizam rapidamente, porque o esquecimento surge com uma facilidade mórbida. Tudo o que são dores, ela atulha-as num baú escondido nos escombros turvos das caves do cérebro, e deixa que ganhem bolor, até nada dessas memórias restar.
Então, anda nestas cambalhotas, cima a baixo, entre a mágoa e o reerguer, de tal maneira hábil, que vira brincadeira nas poças enlameadas da vida.

Sou cheia, tão cheia, dessa criança que fala a linguagem universal do amor. Envolvido pelos ossos do crânio está o seu coração e, mesmo assim, mostra-se vulnerável… Vê mais além do que ditam as regras, procura encontrar a aceitação da essência humana de cada um, às vezes para lá do bom senso. Aceitando, de tal forma natural, que lhe flui, num sangue quase transparente, o abrigo a todos os pecados do mundo.

Não tive nenhum parto, já que ela vive em mim, entre nascimentos, mortes e ressurreições. Que não me morra a criança! Nem a quero parir, para que ela prospere a sua nobreza pelas minhas vísceras adentro e que me regurgite a singeleza desta menina leoa de espírito leve.
———-
👉🏻 texto publicado no blog @valletibooks Reflexões nº 24 - 12/06/2022

28
Nov21

Ela


 

249012C1-2B5B-4633-B3F0-043C779EC9C7.jpeg

São os olhos dela que fascinam o mundo ao seu redor em tudo onde tocam. São de um verde água, ás vezes, um verde que se confunde com os tons da floresta. Se não os olhos, quase translúcidos de lhe conseguir analisar a alma, é o seu discernimento que lhe dá um tom acolhedor. A sua delicadeza de olhar o mundo de uma forma leve e graciosa.

Tive a sorte de lhe sentir a alma, numa amizade já de longos anos, mas se tivesse de a comprar facilmente me endividava. É fácil de nos apaixonarmos, pelo coração sementado de flores que brotam e crescem desmedidas e ela nem se dá conta. De uma natureza forte e equilibrada, ela sorri com o coração, ama de forma tão inconsciente e natural, como se o amor fosse a sua religião.

É a minha pessoa, a que me ouve sem julgar. De uma escuta como se pusesse o coração dela no meu peito e os seus pés nos meus sapatos. Um espaço criado entre nós, onde o julgamento não existe. Uma compreensão sem fim enlaçada numa perspicácia veloz.

Danada para a brincadeira, ela ri e diverte-se como se ainda vivesse com ela a Sofia de 8 anos que conheci. Inocente, virtuosa e descontaminada das feridas que o passado lhe ferraram.

Até no mau humor, lhe ressalta o humor. Dias que tem de se refugiar para redescobrir o seu sabor. E, nesses dias, ela torna a crescer e volta mais resistente para dar o melhor que leva dentro. Sendo o melhor, a Sofia de uma super conexão com o seu intimo, numa luz que não tem preço.
.
👉🏻 Um desafio proposto “propaganda à tua melhor amiga”
.

.
P.S 1 - Escolhi a “Sofia”, mas poderia ter escolhido um role de amigas, que são tão importantes quanto ela.
.
P.S 2 - Às demais, não fiquem com ciúmes, está bem? 😅 têm um lugar quentinho no meu ❤️

06
Set20

Despedidas de criança


7EA7380B-57DC-4FCF-8414-BD27D82A06E5.jpeg

Ver-te com as lágrimas nos olhos é coisa que me dói...

Tu, que adoras brincar comigo, que és louco por mim, como nunca ninguém foi...

Na hora da partida, ficamos com o coração apertadinho, a desejar que nunca aconteça. E tu, és tão forte, com 3 anos, és mais forte que eu.

Com 3 anos, tentam-te explicar que a vida é feita também de despedidas, quando na tua cabeça só passam histórias de encantar. Não quero que te tirem o brilho dos olhos, nunca.

Mas tu és tão forte, ficas ali, paradinho, não queres assistir a despedidas. Só dizes “não vás embora” na tua língua que só alguns compreendem. De olhos vermelhos, cheios de água, mas não choras. És tão forte, tu, quando a mim só me apetece chorar... e choro... mas tu não. Já sabes que os olhos quando não veem, o coração também não sente, ou não sente tanto. Sabes tão bem disso, que só queres que esse momento passe rápido, para te esqueceres dele e voltares às tuas histórias de brincar. Aquelas que vives com um sorriso. Ou até mais que um.

Digo que te amo, sem saberes ao certo o que isso significa. Como podes tu saber o que isso significa? Tantos adultos ainda nem sabem... Mas tu sabes que é uma palavra importante e retribuis-me porque, certamente, tem o tamanho do que estás a sentir.

 

Imagem por: Catarina Alves - Freezememories_

26
Ago20

Novelo de lã


1F6C65B2-2DBB-4BDB-B9DD-B67FF2E87CF8.jpeg

Um novelo de lã envolve-nos.

Duas amigas que o tempo gostou de ir enrolando, bem apertadinho. Aqui e ali, a vida tornou-nos em algodão 100% amizade. Às vezes tricot, crochet, às vezes saudade, fazemos do novelo um lar, doce lar.

Somos duas, num novelo de várias cores, das cores que fizeram os nossos sorrisos, das cores que fizeram as nossas lágrimas também.

Em lã quentinha que nós a tornamos, criámos um novelo. Um novelo que envolve dois corações, num rolo bem sincronizado. De tão ajustado que não se desfia, só se desenrola para fazer arte. A arte onde moram as nossas vivências, numa amizade que não se desmancha, puxes o fio que puxares.

 

Imagem por: Catarina Alves - Freezememories_

Mais sobre mim:

Segue-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Calendário

Novembro 2022

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D