Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Tem juízo, Joana!

Entre o certo e o errado, o perdido e o achado, o dito e o não dito, encontros e desencontros, da pequenez à plenitude, entre a moralidade e a indecência. Se tenho juízo? Prefiro perdê-lo…

Entre o certo e o errado, o perdido e o achado, o dito e o não dito, encontros e desencontros, da pequenez à plenitude, entre a moralidade e a indecência. Se tenho juízo? Prefiro perdê-lo…

16
Ago21

Um Adeus


F99825F8-1254-4414-BB23-9CD998146616.jpeg

Os ciclos começam-se, decorrem e encerram-se. Aceitam-se os encerramentos, para novos ciclos se iniciarem. E assim é a lei da vida. A mãe natureza.

Hoje sinto o sabor da morte de uma forma diferente. Mais aguçado, mais espinhoso. Vou percebendo como a vida é frágil, muito mais para os que têm o corpinho coberto de penas. E eu amei-o tanto, tanto, como se tivesse o coração fora do peito, transportado para aquele corpinho esguio cheio de penas aveludadas. Verdes e laranjas, da cor da papaia.

De uma alma aventureira, o Shelby, era rebelde, curioso e meigo. Espero que encontre outro corpo físico que lhe faça valer toda aquela alma valente e espevitada.

Recordo-o com uma saudade que me queima o peito. De um ardor capaz de voltar o tempo atrás só para o sentir mais por uns momentos. Aquele macio, o calor do seu corpinho no meu.

Era notável o quanto nos amava e o quanto era um passarinho sortudo e feliz. Onde o coração tinha a liberdade de pousar onde quisesse. Só lhe faltava falar para nos dar a certeza do que era tão evidente.

Hoje sinto o sabor da morte, frágil, rápida, voraz. A lei da vida. Uma dor amarga, difícil de encarar.

14
Dez20

Quero


BB6809F3-263D-4D59-91AE-40A64B0FF858.png

BF1CEB98-D4FE-46CF-B4E6-778D30D1734C.png

Quero ser, inteira.

Sem metades.

Quero toda a sede e fome de ser, de estar.

Quero vestir-me de cores e correr o mundo.

Quero rir até me doer a barriga.

Quero abraçar a humanidade, quero abraçar tudo.

Quero ser artista. Pintar, escrever, criar...

Quero tanto até o tanto parecer pouco.

Quero dançar até me doerem os pés.

Quero experimentar o mundo.

Quero existir sem ninguém me julgar.

Quero gastar toda a energia que tenho dentro.

Quero tempo, o tempo de querer mais.

Quero calor, conforto, calor humano, ardência.

Quero existir, existindo em volume nos outros.

Quero estar rodeada de risos e boa companhia

Quero sentir emoções de alta intensidade, quero sentir o coração acelerado, borboletas na barriga, pele arrepiada e rouquidão de viver.

Quero a saudade e poder sentir-lhe o sabor.

Quero luz, brilho, céu limpo, música e ondas do mar.

Quero corpos, afecto, contacto e união.

Quero exuberância, entusiasmo,

Quero é viver.

Imensamente.

 

 

E por aí? O que mais querem nesta vida?

25
Out20

Por detrás de um sorriso


5816F54F-93BF-40A6-9ECB-4A96C0304622.jpeg

Se há coisa que fica sempre bem a qualquer um é o sorriso. Eu tenho um, gigante. Aliás, há alturas que toda a minha cara é um enorme sorriso, onde só cabem os olhos porque tem de ser.

Um sorriso fica sempre bem! Esconde demasiadas coisas que não quero mostrar. Disfarça inseguranças, distorce estados de nervosismo, vergonhas e imperfeições. Por detrás de um sorriso, há incertezas, há aspectos que não queremos mostrar, há fraquezas.

Por detrás de um sorriso gigante, há quem se sinta pequenino. Quem tenha medos. Dos medos que estremecem a voz e tremelicam os dedos das mãos.

Como uma base instável mas, que se demonstra a pedra mais segura em cima de um penhasco.

É preciso um sorriso gigante, como o meu, para conseguir esconder tudo. Por vezes falta de confiança, talvez até falta de fé no que sou e naquilo que sou capaz de fazer, sempre me quis tapar as partes frágeis, outras vezes sorriu em apelo à validação dos outros. Oh! Eu sei bem o que escondo! Mesmo assim, prefiro não mostrar. Afinal, um sorriso fica sempre bem!

 

Imagem por: Catarina Alves - Freezememories_

26
Set20

Trivialidades


B435CD88-B7E6-4DF1-A408-4EEB6CC6DE42.jpeg

Escolho a roupa no dia anterior. Sempre fiz isso, deito-me a pensar na roupa adequada ao evento, nos acessórios que ficarão bem e no calçado.

No cérebro de uma mulher, mesmo a mais ocupada e intelectualmente inteligente, há sempre espaço para calcular este tipo de futilidades.

No dia seguinte, se tenho a sorte de me sentir confortável naquela roupa, despacho-me rápido. Se não, é um problema que me vai ocupar uns bons minutos de indecisão.

A roupa é nada mais que um enfeite. Enfeitamos o corpo com o que a alma se sente melhor.

Visto-me de cores para saberem de que é que é feita a minha essência. Das cores vivas d’um arco-íris cheio de boa disposição.

Artilho-me de acessórios, só porque os tenho e nunca os uso. A minha profissão não permite.

Ponho o meu melhor perfume. Aquele de verão. Tenho dois, gosto de ter dois. Um para o inverno mais carregado, outro para o verão mais leve e floral.

Maquilho-me apenas com um simples rímel, para sobressair os meus olhos pequenos e escuros. Estou morena, não preciso de base ou sequer de blush.

Na cabeça vão os óculos de sol, só porque tenho muitos e nunca os uso, pelo menos, não as vezes que deveria para a quantidade que tenho.

Agarro a mala que escolhi para o conjunto, calço os ténis de última moda, aqueles por que sou louca.

E saiu, fresca, lá vou eu.

 

Imagem por: Catarina Alves - freezememories_

 

10
Set20

O caminho


13690C5A-F1DA-43C6-8162-A996F1BF09EE.png

CA3F710D-8536-472D-97E7-1EEC8BFBD859.png

Por onde é o caminho?
Gostava que alguém mo ensinasse.
Para onde vou? O que quero, afinal?
Sou feliz sim, mas, e profundamente feliz, sou?
Falo da felicidade eterna, ininterrupta?
Será que existe? Quando a vou sentir?
Não deveria ter objectivos para chegar a ela?
Objectivos pessoais, insanos talvez, a que me deveria querer comprometer?
Gostava de os saber escrever.
Nem os sei, quanto mais escrevê-los.
Toda a gente tem presente os objectivos materiais, profissionais.
Mas e os outros?

Ensinem-me o caminho, que eu não sei.
Qual é a minha missão aqui?
Quais são os meus dons?
Deveria experimentá-los todos, como se me pusesse à prova, é isso?
A vida não pode ser apenas isto:
Nascer, crescer, trabalhar, ter uma casa, criar família, morrer.
Não pode ser só isto. Sim é muito. Mas, quando me atiraram ao mundo, não era só para fazer número.
Há algo de maior em cada um de nós, ainda por descobrir, pelo menos, ainda assim é para mim.
Há algo de heróico em cada um de nós. Um propósito. Qual?
Por onde hei-de eu começar?
Mas afinal... por onde é o caminho?
.

.

Alguém desse lado com as mesmas questões?

 

Mais sobre mim:

Segue-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Calendário

Outubro 2021

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D