Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Tem juízo, Joana!

Entre o certo e o errado, o perdido e o achado, o dito e o não dito, encontros e desencontros, da pequenez à plenitude, entre a moralidade e a indecência. Se tenho juízo? Prefiro perdê-lo…

Entre o certo e o errado, o perdido e o achado, o dito e o não dito, encontros e desencontros, da pequenez à plenitude, entre a moralidade e a indecência. Se tenho juízo? Prefiro perdê-lo…

05
Abr21

São várias as personagens que moram em mim


070E7385-ADE0-48AE-8ABA-93951CD035C4.jpeg


Sou uma quantidade infinita de seres. Joanas do meu pequeno vasto mundo.
Faço-me acompanhar de todas, mesmo quando algumas decidem tirar uma sesta.
Na maior parte do tempo, gosto de ser a Joana extravagante, a de riso fácil. Com uns dentes enormes que ocupam toda a face. A que vive no mundo cor de rosa, cheio de optimismo e boa disposição. A que faz piada de tudo, a que dança ao som de qualquer música. A que consegue amar todos os seres da terra, de um amor que vai para lá das barreiras do julgamento.
Existe a Joana solitária, que gosta do silêncio. Que reflecte profundamente e brinca com as palavras num jogo de escrita. A joana que, no seu recanto, dá injecções de criatividade em todas as formas que sabe ser. Esta é mais sossegada e sensata, apesar de ter um turbilhão de pensamentos a passar-lhe a alma.
A joana obstinada, a que tem de fazer tudo a tempo e horas. A que se acha fortíssima e invencível pelo cansaço. Cheia de agendas e post-its, enérgica, não descansa até ter tudo terminado. Ela não gosta de se deitar cedo e tem dificuldade em adormecer.
Para contrabalançar, lá acorda a Joana sombria, a que vive no escuro com frio. A que acha o mundo triste e sem sentido. A Joana que vive com um saquinho de lágrimas escondido debaixo da cama, para ninguém ver. Joana, birrenta, que não quer amar, nem receber amor. Que critica todas as obras de arte feitas pela sua mão, que não reconhece valor algum.
Descobri uma Joana ansiosa também, com o cérebro a mil, faz trinta por uma linha para que tudo o que lhe passe pela cabeça sejam pensamentos aflitivos e angustiantes. Dos que fazem tremer as pernas e fazer o mundo desmoronar.
Logo vem a Joana que acha tudo possível. Esta, vive de sonhos, sonhos onde a sociedade tem uma estrutura diferente e o tempo não existe. Uma joana cheia de oportunidades, de afazeres por concretizar. Quer experimentar tudo, vivenciar o mundo, ser tudo, sem deixar nada a perder.
Quem sou eu? Sou um conjunto de todas estas Joanas e mais algumas. Conheço melhor umas que outras, mas trato-as todas por “tu” para que saibam do à-vontade que tenho junto delas. Aceito-as como partes de mim, partes que crescem comigo, que fazem parte da minha história, da história deste corpo.
Quem sou? Sou um dissabor de Joanas. Sou livre de não me limitar às Joanas que tenciono conhecer nesta fracção de vida. Porque, neste corpo, há sempre lugar para mais uma que me surpreenda e que me cabe a mim cuidar.
E tu? Conheces todas as personagens que habitam em ti?

14
Mar21

Feminismo


49040882-622E-446B-B5A4-4FAED9649EAE.png

É opressão moral

É resistir ao patriarcado

É existir em desvantagem.

 

É ser vista como propriedade

Vulnerável, exposta, desprotegida

Que condiciona a própria existência.

 

Não é capricho

Não é birra

É uma luta pela igualdade

 

É ser em “concordância com”

É existir já confinada a padrões.

Mais que feminismo, será humanismo?

27
Fev21

De um poder absoluto


82539DAB-A6CA-4CCF-B3FF-DDE5BC545F2B.jpeg

Num turbilhão de história, de evolução, criaram-se etapas, conceitos, regras, criaram-se sequências comportamentais intituladas como "normais" ou "habituais", foram determinadas fases de vida onde é suposto acontecer isto ou aquilo.

Na imensidão do que é ser, definiu-se o que é certo e o que é errado, sem contextualização.

Questiono-me que sentido faz alguém ter a capacidade divinal de distinguir o certo do errado, num mundo cheio de adversidades e diferenças. Quem foi esse alguém que determinou o que é certo ou errado para mim, que me indicou os caminhos mais corretos. Quem?

Achamos que temos poder de escolha, mas em certa parte, não o temos. Somos ovelhas que seguem o rebanho, o da sociedade, com os valores, princípios e regras previamente estabelecidos. Quem foge ao rebanho é visto como esquisito ou louco. Que sistema de justiça é este que faz da abrangência de todos os seres, um contrato com pré-requisitos próprios?

As etapas e as fases da vida humana foram de tal forma enraizadas na medula óssea das pessoas, que deixaram de haver relógios biológicos, para serem substituídos por alarmes. Deixamos de ser surpreendidos pela magia do amor, para procurarmos descomedidamente um par para partilhar a vida. Tomámos a solidão como algo errado, para nos fazermos rodear de tudo e todos. Perdemos a audição para o nosso interior, para ouvirmos as vozes que vêm de fora e nos dizem o que devemos fazer, porque é assim. É assim que a vida funciona, porque alguém a pôs a funcionar assim, em massa.

É como jogar um jogo onde alguém, de um poder absoluto, já te ditou as regras.

Mas, trata-se de uma vida. Trata-se da minha vida, da tua, das nossas vidas, que tivemos a sorte de ter esta oportunidade. De poder sentir a vida.

A "grande" sorte de nascermos já limitados a regras, a princípios, a conceitos onde temos forçosamente de encaixar.

foto by Catarina Alves - @Freezememories_

30
Ago20

Nações irmãs, rótulos e preconceitos


1231D023-F234-4426-A560-4E178561A647.png

Dizem que a língua portuguesa é traiçoeira. Traiçoeira a língua, de capacidades mesquinhas. Caracterizam o povo do samba, como gente cheia de segundas intenções. De língua afiada, falam das mulheres carnudas, de bumbuns esculpidos, com azedume no palato. Mulheres da vida, cheias de interesse económico. Quando se esquecem, essas línguas, de mudar o ângulo oftálmico.
Os amantes do carnaval, samba no pé, bebida na mão, expõem-se na malandragem, assim vê o português acanhado e tacanho.
Vêm do Rio, São Paulo, locais com boas praias, caipirinhas e cascatas, dos sítios onde são gravadas as novelas. E tão boas novelas têm, dizem as matriarcas de Portugal.
Você diz que a língua portuguesa é traiçoeira, mas afiada é mesmo a brasileira em qualquer situação. Herdamos este costume de onde? De sua colonização?
Resposta para isso eu não tenho, mas certamente desconheço metade dos estereótipos que me conta. São não mais que preconceito e me sinto no direito, talvez até no dever, de contar para você como vemos Portugal.
Antes, no entanto, peço que não me leve a mau, pois, de fato não penso assim. Enfim, vamos lá!
Não sei de onde surgiu, mas sei que alguém pintou que seus compatriotas são tão burro quanto portas e ainda querem zombar do Brasil. De bigode no rosto e sem vergonha na cara, não passam do preconceituoso quintal europeu que fala, com sotaque engraçado, do povo brasileiro. Prestam somente e talvez para ser padeiro, porque nem para marinheiro serviu. Saíram a caminho das Índias e acabaram por encontrar os índios aqui no Brasil. Por fim, gostaram tanto da terra que decidiram ficar, mas, hoje, em pé de guerra, as nações-irmãs, infelizmente, não fazem mais que se insultar.
É uma pena, de fato, ver que estes traços caricatos que acabamos de descrever são os que se perpetuam na cabeça do povo. Compramos imagens vendidas sem perceber que as diferenças culturais não têm de se estereotipar. Há tanta beleza que se perde nas entrelinhas dessa história, que, se fosse possível, começaria de novo nossa trajetória como irmãos, espalhando aos parentes, aos amigos e até aos desconhecidos a riqueza de nossa ligação. Somos uma mesma humanidade e as ideias pré-formadas devem-se dissipar.
.
.
Um texto em parceria com Emminhasentrelinhas1989 - Vitor Martins, com uma live a falar sobre o assunto.


Obrigada Vitor, pela oportunidade, foi super enriquecedor poder reflectir em conjunto sobre as nações irmãs, uma relação única no mundo inteiro!

A célebre frase que encerra o nosso live:
“Uma das melhores formas de ser português é servir e amar o Brasil” - Jaime Cortesão.

26
Ago20

Nações irmãs- rótulos e preconceitos - live


239E3298-D61C-45FA-AFC8-4BA851C9A67C.jpeg

O mundo da escrita, trouxe-me muitos amigos. 

Vitor Martins, foi um deles, autor da página Em minhas Entrelinhas no instagram. Em conjunto, tivemos esta ideia de debater num texto em parceria os rótulos existentes dos emigrantes portugueses no Brasil e dos emigrantes brasileiros em Portugal.

Iremos conversar abertamente sobre o tema, num diálogo sem barreiras, entre dois amigos de nacionalidades diferentes mas com muita história em comum.

Esta conversa terá lugar no Sabádo pelas 22h (hora de Portugal) e 18h (hora no Brasil) num directo via Instagram, na minha página de instagram (Temjuízo_Joana) ouna página (Em minhas entrelinhas).

Esperamos por vocês por lá, para nos ajudarem a desmistificar este tema!

Até lá,

Beijinhos a todos!

 

Com juízo,

Joana.

Mais sobre mim:

Segue-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Calendário

Setembro 2021

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D