Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Tem juízo, Joana!

Entre o certo e o errado, o perdido e o achado, o dito e o não dito, encontros e desencontros, da pequenez à plenitude, entre a moralidade e a indecência. Se tenho juízo? Prefiro perdê-lo…

Entre o certo e o errado, o perdido e o achado, o dito e o não dito, encontros e desencontros, da pequenez à plenitude, entre a moralidade e a indecência. Se tenho juízo? Prefiro perdê-lo…

02
Jan24

Mariana, aos teus 18 anos


Mariana,

O tempo galopou. Correu mais rápido que as rajadas de vento. As voltas ao sol foram na velocidade de um remate forte à baliza do adversário tempo.

Espero ter dado conta de tudo!

Aos teus 18 anos, espero ser uma mãe adulta porreira, que procures para amar e ser amada. Espero ser a mãe que desejaste no dia que me escolheste entrar no ventre. Espero que nutras exatamente o mesmo sentimento que tenho pela tua avó, não menos. Não desejo menos que isso! Que é tanto e um tanto que é tão bom! Como um abraço caloroso aveludado cheio de amor e com cheiro a sorrisos de jasmim…

Escrevo-te esta carta enquanto estás deitada no meu peito, o teu lugar preferido.

Às vezes estou cansada de só em mim dormires, de seres exigente, de quereres tanto a minha atenção, os meus braços, o meu tempo… Chove lá fora e o mundo pode até inundar que, para mim, aqui e

agora, o mundo está todo certo. Enquanto te vejo dormir…

Quero ver-te acordar também, para ser presenteada com o melhor sorriso de todos, aqueles que fazem dos teus olhos fechadinhos duas perfeitas luas minguantes.

A mãe é apaixonada pelo teu nariz arrebitado, herança feminina da nossa casta. Pelos teus lábios perfeitos e os teus olhos amendoados expressivos que me lembram todos os dias o motivo pelo qual me apaixonei pelo teu pai.

Cai-te o pouco cabelo que tens, clarinho e fininho, com cheiro a algodão. Quando ainda vivias no meu ventre quente, imaginei-te uma cabeleira farta e encaracolada, tal como eu. Não importa o que imaginei, tu superaste todas as minhas expectativas! És a mais linda carequinha e não queria que fosses doutra maneira!

Desejo que nos teus gloriosos 18 anos ainda viva a bebé arisca e atrevida que eu conheci hoje, que chama a atenção com falsas tosses, que brinca com os meus mamilos quando já não tem fome, que foge do sono como o diabo foge da cruz. Aos 3 meses de idade, és mais desafiante que qualquer emprego, és mais exaustiva que qualquer actividade física, principalmente nalgumas noites mais agitadas. Mas agora, nada disso importa, por isso mantém essa irreverência para a vida, meu bem, vais precisar dela neste mundo profano!

Segura também a graciosidade, não é à toa que és a “riqueza da avó” e a “bomboca do avô”, seduzes-los com apenas três dedos de conversa e não estou a exagerar!

Já dobras o riso, as tuas gargalhadas valentes fazem explosões de oxitocina no meu corpo cansado. Estás a conhecer o teu corpinho cor da neve, coberto de refegos e… fascinas-me! Com as tuas descobertas, com as surpresas de mais uma habilidade conseguida. És o meu mundo! E olha que a mãe tem muitos mundos, mas tu és o meu preferido!

Eu amo-te filha! Amo-te e todos os dias te amo mais… talvez agora, aos teus 18 anos, nem encontre uma palavra que caiba todo o meu amor por ti.

Não existe palavra com tal tamanho.

08
Dez23

Utopia de nós


Num reino de emoções etéreas, onde o amor dança na fronteira entre sonho e realidade. Somos o mesmo. Somos o eu, tu, nós, vós, somos eles. Somos um. Um coadunado. Ligado, contíguo, pegado.

Afora a carne, a matéria, o real.

Somos ficção.

Reinado das fantasias não consumadas, cantam-se as vontades, quase a tocarmos o amor ideal.

Entre sonhos, mastigamos prazeres não construídos, palpamos corpo que não sentimos. Somos fingidos no mundo real, que tantas vezes finge.

Existimos na imaginação, nos ideais que não existem. Quero-te abstrato, intangível! O teu perfume com cheiro ao vento de uma tempestade tropical, o teu toque almofadado de tons azul céu, a tua voz mole com sabor a chocolate quente, bem aquecido… Quero isso tudo, que nada é, a não ser encanto!

Tanto! Tanto!

Engolir-te num trago doce, cheio de tudo o que nasceu de mim… por ti. Esfregar-me no manto de uma saudade inventada, aromatizada pelas melodias da tua pele.

És labareda, intensa, que me ateia este coração sem abrigo. És os raios de sol, a maresia, a felicidade que mora no meu sorriso.

Vamos sem fronteiras… amarmo-nos!

Vamos sem limites… amarmo-nos!

Mesmo quando todos os limites forem fronteiras e todas as fronteiras chegarem aos limites… Amarmo-nos!

Entre os sonhos irreais e a realidade ilusória… bem no meio desta utopia, amar-te-ei em fábulas escritas pelo meu coração tão franco.

02
Dez23

O canto da flor sem pétalas


Na penumbra do desconhecido, onde sombras dançam como versos, inicio este poema.

Sapateio ao som balanceado de um tempo que não sei se quero,

Se me engano, se me boicoto.

Dilema!

Amadureci ao compasso da Oliveira

Vi dias e noites e noites e dias

No cimo da resiliência

Tempo remoto…

 

Entre luzes e escuridões procuro-me e não me encontro,

mesmo no meio deste poema.

Sou uma flor sem pétalas,

Um pássaro sem penas,

Uma árvore sem folhas,

Sou terra, apenas.

Um céu sem estrelas,

Um deserto sem areia.

Sou cicatrizes e

Sou sequelas.

 

Das sombras nasce luz,

Na minha luz caíram sombras

Onde as memórias são favelas.

As luzes de mim se lançam

Pardacentas, águas bentas bafientas, cinzentas

Sujas pelas dores dos espinhos de rosas brancas.

Passo tempos na escuridão olhando pela única nesga que deixo aberta

O sol que de mim nasce e em mim se põe

Quero a liberdade, tudo o que é leve, livre, liberta!

Por essa nesga procuro a minha luz,

A certa!

 

A vida é um plantio,

Tanto se dá, como se tira!

Tanto escurece como clareia

Tanto é verdade como mentira

Tanto é lavradio como é apenas areia…

 

👉 Um desafio de escrita prescrito pelo meu grande amigo e escritor Carlos Palmito! 

 

02
Set23

Declaração de amor


Minha vida,

Quando leres esta carta eu já estarei longe. E “longe” será a maior prova de amor que alguma vez alguém te pode dar. É “longe” que será a morada deste amor, pelo menos, nos próximos tempos.
Deixei as chaves do carro, sei que precisas dele e, para onde vou, não lhe daria uso. Toma conta dele, como tomaste conta de mim estes anos…
Se houvesse um universo onde pudéssemos coabitar os dois, eu compraria a primeira passagem.
Sabes que o meu amor por ti não tem preço, não tem datas, não tem pertences. O meu amor por ti cheira a apreço, a intimidade, daquele que te sobe as entranhas, sem teres de te expressar.
E eu vou-te amar assim, amando tudo…
Inteiro-me de tudo o que és e acolho-o no meu colo, sabendo que é nesta liberdade de te amar, que te vou amar inteiro.
Não, isto não é uma despedida! É um até logo, quando o “logo” se tornar num possível espaço onde possa caber este amor. Até lá, ama-te como eu te amo, olha-te como eu te olho. Só, então, estarás capaz de me amar na mesma plenitude que é o meu amor por ti.
Um beijo.

11
Ago23

Eu deixo-te chorar


Eu deixo-te chorar,

enquanto a saudade te inunda o corpo.

Deixo que o silêncio te faça perder nas memórias que vivem em ti, nas palavras que tens para lhe dizer.

Acredito que precises de conversar com ele, têm muita conversa para pôr em dia.

Por cada lágrima que deixas cair sei que te aproximas dele, à medida que lavas a alma dos silêncios intermitentes que lhe fizeste.

Ele vive em ti!

Este é só o momento em que te aconchegas e sintonizas a tua energia com a dele que, de certeza e sendo testemunha do amor dele por ti, já existe à tua volta.

Sofres na sua ausência e sofres porque te dói imaginar um futuro em que ele não está.

Expressaste pouco acerca desta dor que conquistou um lugar à mesa nesse coração largo que trazes dentro do peito. Ambos sabemos que não precisas de falar sobre ela, mas sei o quanto respiras em dor debaixo da pele.

Por isso, eu deixo-te chorar…

Mais sobre mim:

Segue-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Calendário

Abril 2024

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D