Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Tem juízo, Joana!

Entre o certo e o errado, o perdido e o achado, o dito e o não dito, encontros e desencontros, da pequenez à plenitude, entre a moralidade e a indecência. Se tenho juízo? Prefiro perdê-lo…

Entre o certo e o errado, o perdido e o achado, o dito e o não dito, encontros e desencontros, da pequenez à plenitude, entre a moralidade e a indecência. Se tenho juízo? Prefiro perdê-lo…

29
Mai22

Podes ir…


Não te toco, não te penso, para que não te distraias no caminho. Choro-te baixinho, tão baixinho, que nem te incomodo. Ninguém me ouve falar de ti, só para não olhares para trás.
E, de cada vez que a lembrança te pousa, eu fujo. Tenho de ter a certeza que lá chegarás.

Desapegar-te, não é fácil, quando o teu coração amava demais.
Encubro o meu suplício, porque te estimo a paz.

Pesam-me as tuas memórias, já de tão embebidas em lágrimas que correm por ti. Mas não posso desbotar-te, para que não percas a nitidez.

Deixa-me ser generosa no quanto te amo, mas acende-me a aquietação de não mais te poder sentir.
Renuncia-me a misericórdia e ostenta-me com o teu sorriso uma última vez.

Desenraizar-te de mim, não quero. Então, visito-te tantas vezes nos meus retalhos, que chega a devolver-te solidez na transparência onde vives agora.
—————
📸 pexels.com - Rodolfo Clix

15
Mai22

Validade aleatória


Saborear o tempo é um luxo. Ser livre em tempo, de tempo em tempo, é afortunar o bizarro prazo que a vida tem. Sabemos lá quando expiramos… e, mesmo assim, corremos contra o tempo, como se fosse tangível de se atracar. Numa frenética cinesia, aceleramos o pulsar interno até ficarmos ofegantes. Ocupamo-nos de quotidiano, engordamos de hábitos e consagramo-nos num ofício por bom dinheiro, mas onde o tempo se tornou uma pechincha. Ainda assim, não fugimos ao tradicional, é convidativo. Os bens tornaram-se sedutores, a abundância fez-se guarida, mesmo na escassez consciente de apreciar o que é viver, na carência de tempo em qualidade para gozar o que é ser.

Desgastamos o corpo, sugamos atrapalhadamente os segundos dos ponteiros traiçoeiros, sem dar conta de que são o único e mais valioso património que poderíamos ter. E, seguimos, porque é assim que nos ensinaram a existir, neste estado de insuficiência “temporo-corporal”, por excesso de estímulo externo e pouco interno.

Recordem-se que somos de uma validade aleatória, incerta, de chãos movediços, tão vulnerável pela insanidade de ignorar o seu fim.

 

___________

Poderão encontrar este texto em: Blog - Valletibooks

09
Abr22

Esqueletos em mim


E02F0935-2671-4E98-9FB8-D2B0EE2BCC97.jpeg

Tenho esqueletos, esqueletos desenhados num armário cheio de ossos.

Tenho aparições que me amolam, escondidas no âmago das aflições.

Das mortes de mim, tantos mins nascem, de ciclos em ciclos, avanços e recuos, onde se apaga e se faz luz. Por etapas se percorrem todos os espectros do que já fui. Deixo uns no passado, permito a outros que se me aferrem nos ossos e encarnem o meu esqueleto.

Das almas pobres, desnutridas do que é o alimento, eu guardo-lhes os esqueletos para o meu próprio fomento.

Amarro-me nas memórias, do que outrora foram em vida, sou parte dessa narração por tantos esqueletos vivida.

Embalo na angústia, o desprazer que lhes vislumbro, são esqueletos que desenho num armário e a saudade é cravejada nos ossos dessa não-existência.
.
Imagem: https://kronicasdoloboinvernal.wordpress.com/2018/02/27/conto-esqueletos-no-armario/
.
👉🏻 texto publicado no Blog da @valletibooks - Reflexões nº 8 - 20/02/2022

28
Mar22

Dá-me luz!


Guia-me por entre o emaranhado confuso das linhas sobrepostas e entrepostas da vida. Indica-me o caminho, o mais certo. Se não o mais certo, o mais adequado à minha essência.

Diz-me o propósito. Só um, basta-me um! E, prometo tentar-me alinhar com ele. Prometo, seja o que me propuseres, o meu empenho e dedicação. Mas, dá-me um sinal!

Preciso de um salva-vidas, para me manter à tona. Preciso de voltar a respirar oxigénio, daquele puro, capaz de intoxicar os pulmões mais sujos, por partículas cristalinas da dignidade. Sê a minha lufada de ar, resgata-me para a clarividência.

Dá-me luz, quente o suficiente para a alma. Desobstrui-me a mente e faz, das minhas sinapses, um bonito fogo de artifício. Faz-me dessa arte e asseguro que serei portadora de luz para o mundo. Com a honra ao peito, propagarei esse lampejo pelas várias multidões, como um clarão fugaz.

 

Texto publicado no blog da Valletibooks

Reflexões nº9 dia 27/02/2022

.

Recitação na página de instagram @temjuizo_joana

 

14
Mar22

A vida é volátil


A vida é volátil.

Não somos estáticos. Somos várias coisas em inúmeros momentos diferentes, firmes a uma coluna vertebral de valores.

Que rapidamente também sabemos esquecer, por conta das circunstâncias, egos e afins.

Somos o que a vida nos ensina a ser. Somos essa instabilidade, seres mutantes, que se transformam no tempo e no espaço.

Então, somos uma infinidade de coisas.

As que sabemos ser e as que descobrimos que podemos ser pelo caminho, por conta da vida.

A vida é mutável, como a pele, onde o tempo esboceia a sua passagem, com os traços da bagagem que se leva, ou daquela que a memória ainda se lembra.

É flutuante como as marés, como as voltas dos astros, como os amores e humores. Nada é certo, exacto ou garantido.

E é volátil, como o último sopro de uma vida efémera.

.

Texto publicado no blog da Valletibooks - reflexões 13/02/2022

Video recitado e partilhado no instagram @temjuizo_joana

(Obrigada a todos pela colaboração!)

Mais sobre mim:

Segue-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Calendário

Janeiro 2023

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2022
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2021
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2020
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D