Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Tem juízo, Joana!

Entre o certo e o errado, o perdido e o achado, o dito e o não dito, encontros e desencontros, da pequenez à plenitude, entre a moralidade e a indecência. Se tenho juízo? Prefiro perdê-lo…

Entre o certo e o errado, o perdido e o achado, o dito e o não dito, encontros e desencontros, da pequenez à plenitude, entre a moralidade e a indecência. Se tenho juízo? Prefiro perdê-lo…

28
Ago23

O teatro da vida


No teatro da vida, somos atores de histórias escritas pelo destino, já traçadas pelos caminhos premeditados, algures esculpidos no tempo do cosmos.

Que tempo?

O tempo que só é tempo quando vivido, quando tem histórias para contar.

O destino roubou-nos a pesada caneta da responsabilidade e escrevinhou a nossa vida num rascunho: cada travessão, cada história; cada ponto, cada momento; cada risco, cada emenda; cada asterisco, cada marco importante.

Quem somos?

Atores de circos ruidosos que nem conhecemos. As trovejantes palmas que nos alçam os egos. A luz quente que ilumina os palcos da vida, somos esse foco num desfoco de nada.

Somos nadas.

Ou pequenos nadas que ajuntados são espectros de cores de profusas características. Somos todas as cores numa só, ou uma cor só refletida num espectro.

Oh destino! Destino!

Quem te escreveu?

Deu-te carvão bastante para riscar suavemente as folhas toscas, deixando um rasto a cheiro antigo que as impregnou. Deu-te vários capítulos numerados nas páginas ásperas da vida. Deu-te nomes timbrados a quente disforme. Deu-te actos esquecidos nos cenários mudos que partilhas nem sabes com quem.

Somos todos atores.

Personagens, emoções, somos o verbo ser conjugado em todos os pronomes pessoais. E todos são o Eu.

Somos caminhos já apontados por sinaleiros que rangem, crespos… fartos do tempo.

Temos várias vidas numa só e somos todos os parágrafos que alguém ficará para contar.

Entre cenas e encenações, no final da peça, todos seremos apenas histórias.

24
Ago23

Meu querido mês de agosto


Meu querido mês de agosto,

Sempre foste eloquente, aprazerado, vivaz! Brônzeas as minhas pessoas preferidas e, piscas-me o olho, porque, pesado numa balança, possuis tanto de comprimento, como de encantador!

 

Este ano caiu-te a máscara e foste o ladrão da minha paz. O calor abrasou-me e os fogos que por ti deflagraram… um insulto à mãe natureza!

No teu caminhar, defraudaste-me o movimento, um crescer enérgico tapou-me a vista para os dedos dos pés.

Hajam medos!

 

Mas continuas vigoroso, espontâneo e simples… A dar-me extemporâneos sorrisos!

Meu querido mês de agosto,

Continuas a ser o mês que mais gosto!

👉 um desafio do clube de leitura de Analita Santos 

23
Ago23

Versos da Terra: A Jornada da Filha da Natureza


Sinto o frio percorrer-me desde o calcanhar às pontas dos dedos dos pés,
Cheira a terra molhada!
Um verde intenso, faz-me sorrir pela magia que se inspira por entre as árvores antigas

De mim exalam perfumes de eras remotas, as cores sabem a algodão-doce, a caramelo, aos nenúfares dos lagos nos quais a vejo entrar.
Permito que se banhe, envergando o fato que os seus pais lhe deram à nascença… a pele é leite, os cabelos uma floresta, os olhos, de uma criança que pisa este meu mundo pela primeira vez.

Nada me mete medo, sou filha da terra e os meus pés sabem o caminho para o seu coração.
O mistério conduz-me ao verde intenso, de sons extraordinários e uma escuridão que não amedronta, mas que afronta.
Trago a coragem ao peito e a rebeldia debaixo dos caracóis infantis… sou filha da terra!

Conduzo-a numa valsa, a dança entre a natureza e a beleza, torno-a rainha deste lar que sou eu, desta casa na qual a permito entrar.
As ervas roçam-lhe os tornozelos, afavelmente… nos troncos existem colmeias de mel, criadas no inicio dos tempos, mel com que a sacio, com que a deleito… os musgos são a frescura, as sombras um jogo… ao longe, aranhas tecem camas de embalar… para ela, a minha floresta trabalha, como um príncipe encantado cavalgando um alazão em direção à paixão.

 

👉 poema a duas mãos com Carlos Palmito 

 

11
Ago23

Eu deixo-te chorar


Eu deixo-te chorar,

enquanto a saudade te inunda o corpo.

Deixo que o silêncio te faça perder nas memórias que vivem em ti, nas palavras que tens para lhe dizer.

Acredito que precises de conversar com ele, têm muita conversa para pôr em dia.

Por cada lágrima que deixas cair sei que te aproximas dele, à medida que lavas a alma dos silêncios intermitentes que lhe fizeste.

Ele vive em ti!

Este é só o momento em que te aconchegas e sintonizas a tua energia com a dele que, de certeza e sendo testemunha do amor dele por ti, já existe à tua volta.

Sofres na sua ausência e sofres porque te dói imaginar um futuro em que ele não está.

Expressaste pouco acerca desta dor que conquistou um lugar à mesa nesse coração largo que trazes dentro do peito. Ambos sabemos que não precisas de falar sobre ela, mas sei o quanto respiras em dor debaixo da pele.

Por isso, eu deixo-te chorar…

Mais sobre mim:

Segue-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Calendário

Agosto 2023

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D