Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Tem juízo, Joana!

Entre o certo e o errado, o perdido e o achado, o dito e o não dito, encontros e desencontros, da pequenez à plenitude, entre a moralidade e a indecência. Se tenho juízo? Prefiro perdê-lo…

Entre o certo e o errado, o perdido e o achado, o dito e o não dito, encontros e desencontros, da pequenez à plenitude, entre a moralidade e a indecência. Se tenho juízo? Prefiro perdê-lo…

31
Jul20

SEXO, como quem fala de tipos de café pela manhã


EE5C090E-BCDC-46C3-8046-0E7BA6CAC54C.jpeg

Um dia eu falaria sobre sexo. Num dia de sol, mesmo em cima dos meus saltos elegantes, vou falar sobre sexo. Um dia, destemida, com a coragem na língua e numa língua firme, falo sobre sexo.

Falar deste assunto, enquanto mulher, é delicado. Uma delicadeza que me pode custar uma nova rotulagem. Rameira, talvez, entre outros nomes mais arrojados, que prefiro não dizer.

Enquanto mulher, é delicado falar sobre sexo em praça pública. Porque ainda está enraizado na sociedade, que a mulher que fala de sexo não é princesa alguma, que não tem o recato entre as pernas. Num mundo que ainda não está acostumado à igualdade de géneros. Isento de rótulos e os piores, no que toca ao sexo, recaem (quase) sempre sobre as mulheres, acreditem!

Falamos de todos os prazeres da vida, mas no que toca ao sexo, shhhh, silêncio. Esse, que devia ser mais falado, para poder ser mais sentido e talvez até, menos dominante por género.

Hoje falo-vos de sexo, como quem fala de tipos de café ao pequeno almoço.

E vou chamar-lhe assim que é o nome dele - Sexo. Gostam de chamar-lhe fazer amor, triqui-triqui... etc etc. Dependendo do “tipo”, se mais carinhoso, se mais agressivo. É sexo, nas suas mais variadas formas, assim como temos vários estados de humor.

Ora, é suposto transformarmo-nos e sermos prazer, numa sensualidade própria. É suposto não sermos pudicos, muito menos, decentes. É o prazer carnal da vida, não se harmoniza com modéstia ou acanho.

Sexo, não é desonra. Também não é submissão. É um consumar de prazer entre corpos, num prazer percepcionado de vários ângulos, de diferentes formas, velocidades e contornos.

E a hipocrisia que há na questão do prazer? Sim, hipocrisia. Gemidos falsos só para mostrar trabalho “bem feito”. Não é hipocrisia? É. O pior é que não leva a lado nenhum, se não ao desprazer. Que é triste. Se não houvesse tanta hipocrisia nos gemidos e orgasmos fingidos, talvez houvesse mais satisfação e mais entusiasmo pela luta do que é lá chegar. Sexo mais justo, com prazer equânime. Entendem? Porque não tem mal não sentir prazer hoje, faz parte e vai acontecer muitas vezes. O que faz mal, é não tomar as rédeas para se atingir os êxtases, é não falar sobre isso, não explorar e fingir prazer onde não existe, por vergonha, ou por imitação, por ignorância, medo ou até mesmo, em forma de recompensa ao outro(a).

Falar sobre sexo, como quem fala de tipos de café pela manhã, não deveria ser uma opção mas uma regra. Faz-nos chegar ao melhor entendimento quer do nosso corpo quer do outro(a). Aumenta a cumplicidade, a confiança.

Como quem aprecia vários tipos de café, vamos falar de sexo. Só porque o sexo tem de ser sem simulações, sem imitações. Vamos contar os desejos carnais, falar sobre as fantasias. Tomamos café e recordarmos memórias sexuais. E com a nossa, só nossa sensualidade, bebemos mais um gole de café intenso e enxergamos que o sexo é aquilo que nós quisermos que seja, ao nosso jeito. Porque podemos tudo. Até no sexo.

E uma chávena de café.

 

Imagem por: Catarina Alves - Freezememories_

29
Jul20

Perdoar para renascer


13236395-3E56-4215-A9CF-CA7B8BFEA971.jpeg

Talvez dos actos mais altruístas e difíceis de um ser humano saber realizar integralmente.

Por vezes, dizemos perdoar quando nem sequer o sabemos fazer do início ao fim.

O perdão redimensiona-nos aos tamanhos que devemos saber encarnar. Não significa sermos fracos, frágeis ou inferiores. Significa sermos capazes, termos a coragem e resiliência numa tomada de posição que nos permite ser dignamente humanos, sem ditar sentenças.

Temos de saber ser pequeninos para em larga escala ganhar tamanho. O tamanho necessário para ser na dimensão da nossa dignidade.

Não somos menos por perdoar. Perdoamos para sermos livres de mágoas, para sermos mais inteiros e sãos, no caminho da humanidade. Um caminho que se percorre uma vez, de cada vez, e deixa história. Daquelas que são bonitas de contar. Daquelas onde o amor, muito mais o amor próprio, substituiu a mágoa nos corações benevolentes. Corações que largaram o peso e renasceram mais leves, fortes e mais íntegros. Corações que mesmo feridos, tem a capacidade de auto-cura.

 

Imagem por: Catarina Alves - Freezememories_

26
Jul20

É remédio santo


E3335D9C-638D-45DF-8EAC-078CDCC95E89.png

Somos pequenos pedaços de carne.

Pequenos pedaços de carne com um cérebro.

Com opiniões. Muitas.

Somos pequenos pedaços de carne. Vivos. Carne viva.

Num mundo onde habitam milhares de milhões

e nós somos e, continuamos a ser,

pequenos pedaços de carne.

Onde o coração podia falar mais alto, sempre.

Onde o coração podia repousar num gesto de compaixão,

fazer um telefonema à lingua e multar atrocidades.

Uma carne com o coração mais presente.

Era remédio santo para este mundo de milhares de milhões.

Só que não.

E haverá Santos para este remédio? Não sei.

Somos pequenos pedaços de carne. Viva. Carne Viva.

Numa vida vivida para alimentar a carne mas com pouco tempero.

Um cérebro que podia enviar mais sinapses de amor, ao invés de

joagadas egoístas de sobrevivência.

Podíamos ser pequenos pedaços de amor.

 

E pedaços de amor teriam sempre Vida. Não seria remédio santo?

23
Jul20

“Amanhã às 9h”


43D5DFB8-C760-403C-8119-627E32863887.jpeg

Gostava de acordar com um sorriso, o sorriso das 9h. Às 9h a vida começa. E são 2h da manhã e, o meu sorriso, com certeza, às 9 não irá marcar presença. Mas despeço-me com um “até amanhã às 9”, com a maior leveza que existe. Uma leveza de quem não se quer deitar. Amanhã às 9h - digo, esperançosa do primeiro momento de euforia, com os nossos melhores sorrisos. Falsa euforia. Porque na manhã das 9h, nenhuma de nós levou sorrisos. Levámos bocas cheias de sono, de “bons dias” cansados e arrastados no tempo. Não há sorrisos às 9. Precisamos de tempo para despertar a alegria na alma. Mas “amanhã às 9” continua a ser pronunciado com o mesmo entusiasmo de amor. Pois sabemos que, algures depois das 9, já se vão rasgando os sorrisos da ternura e os piscares de olhos para a cumplicidade.

“Amanhã as 9”, claro, mas só depois de um balde de cafeína.

20
Jul20

Mil rótulos


326AEF58-5AF6-49F2-B60E-A6001807FC9D.jpeg

Incrível como o ser humano involuntária ou voluntariamente mete rótulos a tudo.

Literalmente a tudo.

Não sei se para simplificar, para meter tudo em caixinhas e poder arrumar nas respectivas gavetas. Ou se para facilitar a identificação.

O que é certo é que todos nós o fazemos. Por genero, raça, cor, textura, forma, crenças, lateralidade, preferências, gostos, classe social... todos o fazemos! E, a maior parte das vezes, nem com intenção ou conscientes de que o estamos a fazer. E está tudo bem!

Os rótulos existem.

De facto limitam-nos. Criam circunferências em volta de riscos que não podes pisar. Ou que não era suposto pisar.

Desde que nascemos que são criados limites. Dão-nos um nome. Um nome! Que só o nome ja nos limita. Ora, eu sou a Joana, já não posso ser Aurora ou Tânia. Joana, será o nome a que me vão associar para o resto da vida. Associando experiências, vivências, memórias. Só a um nome!

 

Os rótulos existem.

Nascemos com eles e vamos associando novos mini-rótulos ao longo da vida. “Escolhe uma profissão”, mais uma circunferência. “Acreditas em Deus?”,  outra circunferência. A própria sociedade foi-se desenhando assim. Simplesmente assim, tens de escolher de que circunferências te queres envolver.

Os rótulos existem.

E está tudo bem. Está tudo bem se não criarmos pisos de desnível entre circunferências. Se soubermos que cada um de nós não cabe num so rótulo com a receita perfeita e os ingredientes certos. Porque há ingredientes que vamos descobrindo ao longo do caminho. Se soubermos que podemos ser a mesma receita de ingredientes diferentes. Se soubermos que o que nos define está muito para além de rótulos circunflexos. Se soubermos que pisar o risco às circunferências pode fazer-nos muito mais felizes do que dentro delas.

 

Os rótulos existem.

Existem nas bocas do mundo.

Sítios onde somos em perspectiva.

Onde um ou mil rótulos nunca nos irão servir.

 

Imagem por: Catarina Alves - Freezememories_

Pág. 1/2

Mais sobre mim:

Segue-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Calendário

Julho 2020

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D