Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Tem juízo, Joana!

Entre o certo e o errado, o perdido e o achado, o dito e o não dito, encontros e desencontros, da pequenez à plenitude, entre a moralidade e a indecência. Se tenho juízo? Prefiro perdê-lo…

Entre o certo e o errado, o perdido e o achado, o dito e o não dito, encontros e desencontros, da pequenez à plenitude, entre a moralidade e a indecência. Se tenho juízo? Prefiro perdê-lo…

10
Abr20

Uma reserva natural


image0.jpeg

Por portas entreabertas foste vendo um vulto, cheio de aspirações. Pelas frechas foste observando e convivendo, ganhou forma e cor. Foste farejando e assimilando o cheiro da minha pele, a textura áspera da personalidade, rastreando todos os meus sinais.

Espreitas-te a minha alma, vezes e vezes sem conta. Umas vezes camuflado, sorrateiro, outras vezes destemido. Sempre te deixei a porta entreaberta para que entrasses sempre que quisesses. Nunca tive receio de te mostrar os meus segredos, até os mais obscuros e isso sempre te fascinou, a franqueza, a autenticidade. Não tinha nada a perder.

E foste espreitando, decorando as minhas expressões faciais, sem precisar de falar. Conhecendo-me cada devaneio, dominando a frequência de emissão do meu Eu. Silencioso, estiveste tantas vezes em mim, que, por milagre, te capacitou de amar em largo espectro, do lado iluminado ao mais obscuro.

Apaixonámo-nos inocentemente por cada traço marcado, por cada forma do nosso ser.

Por trás dessa porta há desejo e há amor, até nos detalhes. Por trás dessa porta encontrarás sempre a cumplicidade de quem te quer bem e um corpo quente para te acolher.

Se as almas gémeas existem? Não sei. Prefiro ter-te, tenhas que nome queiram chamar. És de espírito liberto, simples, mostras-te insensível, mas tens os sentidos apurados. Temos uma forma selvagem de amar. Sem cuidados especiais, casta. Com doses definidas de adrenalina, inocência e ignorância.

Juntos, somos uma reserva natural de nós mesmos, onde habitam por inteiro as nossas almas. Selvagens, puras, tanto na dor como na forma de amar. Vivemos o amor em anarquia, vemos exoticidade na igualdade e no caos.

Aqui, ouvimos e sentimos com o coração. As palavras são menos fraudulentas, menos processadas, menos mastigadas. Já sem portas entreabertas.

Aqui, nesta reserva natural, preserva-se a beleza do nosso amor, sabendo que somos um do outro, dentro da liberdade de cada um.

Imagem por: Catarina Alves - Freezememories_

Mais sobre mim:

Segue-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Calendário

Abril 2020

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D